A lua

A lua

Anúncios

Adeus ao afeto

Que triste que o afeto foi embora. Como dói saber que ele morreu. Que falta vai fazer aquele sentimento que não dá para controlar.

É, não dá para controlar nem quando ele chega nem quando se vai. Muitas vezes não queremos aceitar sua presença entrando e se firmando em nossos corações, em nossos pensamentos e sentimentos. Só que ele chega e pronto.

O pior mesmo é quando ele se vai. Quando estamos acostumados com a sensação que ele nos causa, seja de prazer ou de dor. Sim, porque até na dor ele ainda existe. E na dor queremos que ele vá embora. E um dia ele vai. Doendo, mas vai.

Dói sentir afeto que dói, mas também dói saber que ele se vai e que nunca mais iremos sentir o que de bom ele nos causou. Entretanto, a pior sensação que a falta de afeto pode causar é esquecer como foi senti-lo um dia. Perceber que um afeto está morrendo é deprimente, mas quando ele se vai; você nem lembra que um dia ele existiu.

adeus ao afeto

Quem te merece ?

Quem não te merece simplesmente não te merece. Não merece que sintas nada, que gastes teu preciso tempo pensando na pessoa. Não merece tua tristeza, tua saudade, teu perdão, tua ajuda, tua atenção. 
Quem não te merece não merece ser lembrado, ser desejado, ser amado. 
Quem não te merece teve a chance de te merecer um dia, mas preferiu não te merecer.
Mas quem não te merece um dia vai se arrepender. E vai querer te merecer.  Porém nesse dia não aceitarás que essa pessoa te mereça.
Porque quem não te merece, simplesmente não te merece.

 

Onde foi que nos perdemos?

Na minha vontade de estar com você
Na sua vontade de fugir de mim
No meu querer fazer tudo certo
No seu querer fazer tudo rápido
No meu desejo de fazer funcionar
No seu medo de dar errado
Na minha visão das suas fraquezas
No seu desgosto de ver os meus defeitos
Na minha aceitação dos seus defeitos
Na sua desilusão de ver que não sou perfeita
No meu otimismo de ver o lado bom
No seu pessimismo de valorizar o lado ruim
Nos meus sonhos não adaptáveis
Nos seus sonhos não formados ainda
No meu amor meio indeciso
No seu amor meio indeciso
Na minha busca por alguém como você
Na sua busca por alguém como eu… 
Você buscou em outras um alguém melhor que eu, mas não achou.
Eu busquei em outros um alguém melhor que você, mas não achei.
Buscamos sempre alguém com medo de que fôssemos o alguém certo, um para o outro. Soubemos um dia que éramos, mas como não somos de acreditar nisso, permitimos que nos perdêssemos um do outro.
Levamos tanto tempo nos procurando, que quando nos achamos, não acreditamos que era possível.
Então vivemos com medo da felicidade. E sufocamos o que sentíamos de alguma forma.
Agora somos dois corações procurando por outros dois corações, talvez como os nossos. E se os encontrarmos, talvez tenhamos os mesmos medos de antes e possivelmente perderemos a oportunidade novamente.

Na verdade agora sei o que procuro, uma vez que a mim mesma já encontrei. Agora você, antes de encontrar alguém como eu, ou alguém melhor que eu, terá algo mais importante para encontrar. Afinal não tem como encontrar um outro alguém antes de encontrar a si mesmo.

Pensando nela

De repente ele se pegou pensando nela. Justo nela. Nunca achou que pensaria nela um dia.

Ele, que só conseguia pensar em várias delas, estava pensando apenas nela.
Há dias ele só pensava nela. Não entendia como e não aceitava muito bem, então desviava o pensamento.
Pensava nas outras, mas, acabava comparando- as com ela.
Que a achava linda demais, isso sempre soube, desde o dia que a viu pela primeira vez. Sua presença apagou a presença de todas as demais do local quando ela apareceu. Ele ficou hipnotizado e a seguiu a noite toda, até que conseguiu a brecha de falar com ela.
A partir daí foram anos de relação descomprometida com ela, e com várias outras.
Ela sabia que a relação com ele não passaria disso, então, quando lhe era conveniente o encontrava.
E ambos estavam confortáveis.
Ela até se apaixonara por ele certa vez, num momento de fraqueza, mas ele deixou bem claro que ela nunca teria importância maior que todas as outras tinham.
E assim foi; até o dia que ele se pegou pensando demais nela.
Lembrava do seu cheiro, dos seus cabelos longos e tão fortes quanto sua personalidade.
Pensava em como ela ficava linda brava e por isso ele adorava provocá-la. Pensava no corpo esculpido naturalmente que ela tinha e que sempre tentava adivinhar qual segredo milagroso ela tinha para ter aquela pele de veludo.
Passou a lembrar dela em certas músicas ou sempre que via seu chocolate preferido.
Lembrava-se dela afagando qualquer cachorro de rua e na sua irritante mania de reciclar o lixo sempre. Lembrava-se dela até quando ia dormir. Não como se lembrava das outras com quem só queria se divertir. Lembrava-se das conversas que tinham madrugada adentro e de como ela conseguia fazê-lo enxergar as coisas sob outro ponto de vista.
Odiava quando ela cismava com alguém dizendo que tinha um comportamento duvidoso, mas que sempre tinha razão de desconfiar no final das contas.
Então ele percebeu que no fundo gostava até do que não gostava nela.
Começou a sentir saudades demais para um cara como ele. Começou a vê-la em todas que conhecia e a não ver mais graça nas que não eram como ela.
Percebeu na verdade, que nenhuma era como ela e parou de pensar nas outras e de querer outras. Mas ele não aceitava, então continuava se enganando e tentando dominar sua própria mente.
Mas seu coração começou cobrar suas batidas. Este já não queria mais bater em vão e começou a bater por ela. Cada vez mais forte, mais incontrolavelmente. Ele já começava a não resistir a seus próprios pensamentos e começou a virar um súdito de seu próprio coração.
Passou um tempo digladiando com seu orgulho e medo, mas estava decidido a ir atrás dela.
Como um garoto assustado, foi.
Agora estava ele, na porta de sua casa ensaiando o que iria lhe dizer. Não sabia como ela iria reagir. Só sabia que a partir daquele momento estava abrindo mão de todas as outras. Que se ela o quisesse, seria um caminho sem volta. O caminho da felicidade.
Então deu um gole seco no orgulho e tocou a campainha.
E antes de ela abrir a porta, pensou que se pudesse faria uma única pergunta a todos os outros homens do mundo: e você, já foi atrás da sua felicidade hoje?