Sinto falta daquilo que não vivi

E hoje estou aqui, estou lá, estou em qualquer lugar que possa me levar ao lugar onde vou encontrar aquilo que procuro. Não sei bem o que procuro, só sei que é algo que me falta. Que me falta e faz tanta falta, que nem sei como consegui viver sem até agora…

Sinto falta daquilo que não vivi

Pensando nela

De repente ele se pegou pensando nela. Justo nela. Nunca achou que pensaria nela um dia.

Ele, que só conseguia pensar em várias delas, estava pensando apenas nela.
Há dias ele só pensava nela. Não entendia como e não aceitava muito bem, então desviava o pensamento.
Pensava nas outras, mas, acabava comparando- as com ela.
Que a achava linda demais, isso sempre soube, desde o dia que a viu pela primeira vez. Sua presença apagou a presença de todas as demais do local quando ela apareceu. Ele ficou hipnotizado e a seguiu a noite toda, até que conseguiu a brecha de falar com ela.
A partir daí foram anos de relação descomprometida com ela, e com várias outras.
Ela sabia que a relação com ele não passaria disso, então, quando lhe era conveniente o encontrava.
E ambos estavam confortáveis.
Ela até se apaixonara por ele certa vez, num momento de fraqueza, mas ele deixou bem claro que ela nunca teria importância maior que todas as outras tinham.
E assim foi; até o dia que ele se pegou pensando demais nela.
Lembrava do seu cheiro, dos seus cabelos longos e tão fortes quanto sua personalidade.
Pensava em como ela ficava linda brava e por isso ele adorava provocá-la. Pensava no corpo esculpido naturalmente que ela tinha e que sempre tentava adivinhar qual segredo milagroso ela tinha para ter aquela pele de veludo.
Passou a lembrar dela em certas músicas ou sempre que via seu chocolate preferido.
Lembrava-se dela afagando qualquer cachorro de rua e na sua irritante mania de reciclar o lixo sempre. Lembrava-se dela até quando ia dormir. Não como se lembrava das outras com quem só queria se divertir. Lembrava-se das conversas que tinham madrugada adentro e de como ela conseguia fazê-lo enxergar as coisas sob outro ponto de vista.
Odiava quando ela cismava com alguém dizendo que tinha um comportamento duvidoso, mas que sempre tinha razão de desconfiar no final das contas.
Então ele percebeu que no fundo gostava até do que não gostava nela.
Começou a sentir saudades demais para um cara como ele. Começou a vê-la em todas que conhecia e a não ver mais graça nas que não eram como ela.
Percebeu na verdade, que nenhuma era como ela e parou de pensar nas outras e de querer outras. Mas ele não aceitava, então continuava se enganando e tentando dominar sua própria mente.
Mas seu coração começou cobrar suas batidas. Este já não queria mais bater em vão e começou a bater por ela. Cada vez mais forte, mais incontrolavelmente. Ele já começava a não resistir a seus próprios pensamentos e começou a virar um súdito de seu próprio coração.
Passou um tempo digladiando com seu orgulho e medo, mas estava decidido a ir atrás dela.
Como um garoto assustado, foi.
Agora estava ele, na porta de sua casa ensaiando o que iria lhe dizer. Não sabia como ela iria reagir. Só sabia que a partir daquele momento estava abrindo mão de todas as outras. Que se ela o quisesse, seria um caminho sem volta. O caminho da felicidade.
Então deu um gole seco no orgulho e tocou a campainha.
E antes de ela abrir a porta, pensou que se pudesse faria uma única pergunta a todos os outros homens do mundo: e você, já foi atrás da sua felicidade hoje?